Get Amazing Stories

Get great contents delivered straight to your inbox everyday, just a click away, Sign Up Now.

Fim de semana de cinema

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Sabe aqueles dias em que a única coisa que você quer é ficar quieta e não pensar em nada?! Não pensar em trabalho. Não pensar em contas. Não pensar. Esse fim de semana foi assim. Precisava de um tempo livre. Livre pra mim. Pra ver coisas diferentes. Ou até não ver nada. A verdade é que vi muito. E me emocionei muito. Foi nesse fim de semana de cinema que assisti três filmes incríveis e pude aprender um pouco com cada um deles. Vou falar do primeiro, que não esperava nada, até ver a presença de uma das atrizes que mais admiro: Susan Sarandon. 

421711-970x600-1

Quando sintonizei, o filme já havia começado e mostrava uma mulher gorda, obesa, falando um monte de ‘merda’, desculpe o termo, mas foi o me pareceu, até que eu entendesse um pouco mais o sentido do filme. Além de obesa, ela estava mal vestida, com um cabelo horroroso, desgrenhado, uma pessoa completamente largada. Depois de ser demitida do emprego de garçonete numa dessas cadeias de fast food, ao chegar em casa a pé, por ter batido o carro de frente com um veado (animal), pega o marido jantando com a vizinha no maior romance. Nada mais podia acontecer de ruim na vida dessa moça. Mas, por incrível que pareça, muita coisa ainda aconteceu.

O filme vai se transformando em algo extraordinário e numa enorme lição de vida. Primeiro, porque o time era devastador de bom: Melissa McCarthy no papel de Tammy, uma obesa destrambelhada, Susan Sarandon interpreta a avó alcóolatra e Kathy Bates, sua velha amiga lésbica e rica. Uma salada de diversidades, pra lá de cômica, que emociona a cada cena.

Tammy fica arrasada depois de perder o emprego e o marido na mesma noite, e ao voltar pra casa dos pais, pede o carro da mãe pra sair numa viagem, ao que ela nega e diz que a filha sempre foge diante dos problemas que acontecem em sua vida. Ela pede o carro da avó, ao que sua mãe também recusa. Nessa hora, a avó aparece prontinha para a aventura e diz que tem o carro e a grana, afinal Tammy não tinha um centavo sequer. A neta acha o fim da picada, viajar com a avó, mas diante da oferta de carro e dinheiro, aceita e as duas partem para realizar um sonho da avó: visitar as cataratas do Niágara. E no que poderia dar uma neta doida com uma avó alcoólatra rumo a essa aventura especial? Tudo. Até prisão. As duas vão parar na cadeia. E sabem por qual motivo? Amor. O amor de uma pela outra.

494769-jpg-r_640_600-b_1_d6d6d6-f_jpg-q_x-xxyxx

Mas que amor é esse que leva avó e neta pra cadeia?

Susan interpreta uma avó não somente alcoólatra, mas ainda cheia de tesão e de vontade de viver. As duas vão para um pub com música numa das cidades que pararam, e encontram dois homens, um de meia idade que se sente seduzido pela avó, e um mais jovem que faz o papel de filho desse sujeito. Os dois, pra lá de bêbados, a avó e o coroa, acabam transando no carro, numa cena hilária, de tão chocante que é imaginar na realidade. A neta e o filho do cara vêem a transa de fora do carro, tentam interromper, mas o clima está pra lá de quente.

Ainda com a auto estima em baixa, Tammy fica sem jeito com o rapaz, que é uma verdadeira doçura de pessoa. O casal ‘pegando fogo’, não satisfeito com a transa no carro, vai para o hotelzinho onde Tammy e a avó estavam hospedadas, e resolvem prorrogar uma noite de ‘matar saudade de sexo’, deixando Tammy dormir ao relento, do lado de fora do quarto.

A cada cena eu levava um susto com a atuação de Susan no personagem. Pra quem já viu Step of Mother e dezenas de outros que agora não me lembro o nome, mas são muitos, o susto é compreensível com os exageros dessa comédia. Exageros que, pensando bem, acontecem daí pra pior na vida real, e exageros que culminam numa lição de vida que nos alerta para ‘a vida é como é’. Uma lição chamada ACEITAÇÃO de nós mesmos e do outro.

vlcsnap-2014-11-25-20h37m27s40

Ah tá, eu ia contar como as duas foram parar na cadeia. Simples. Tammy se enche o saco da bebedeira da avó, e a deixa numa loja de conveniência, comprando bebida, pega o carro e vai embora. Já no caminho para algum lugar que nem ela sabia, a mãe liga e pergunta da avó, e diz que ela havia deixado todos os remédios da diabetes, e que Tammy deveria trazê-la de volta. A neta sente um enorme remorso e volta para loja de conveniência. A avó tinha se envolvido nesse curto espaço de tempo com um casal de jovens, que queria bebida. Tammy chega no momento em que iam roubá-la, e arma a maior confusão. A polícia chega no local e leva as duas presas, enquanto o casal de jovens foge.

Na cadeia acontecem cenas ainda mais hilariantes, até que Tammy observa que os pés da avó estavam super inchados. A avó, que ainda tinha algum dinheiro paga a fiança da neta, que é liberada, enquanto ela é mantida presa. Outro fato cômica e surreal que faz todo o sentido no desenrolar da trama. Tammy, inconformada e preocupada com a situação da avó, resolve arrumar 1600 dólares num assalto ao primeiro fast food que encontra. Com um saco de papelão na cabeça e outro que ela faz parecer uma arma enrolada num papel amassado, assalta a loja e tira a avó da cadeira, depois de pagar a fiança.

tammy11

Como em todo e qualquer lugar tem câmeras, a polícia passa a procurar a assaltante que dirige um carro modelo X, e que carrega um jet ski. A avó fica sabendo do fato pelo noticiário de TV, deitada na cama ao lado da neta, e pede que ela devolva o dinheiro, ao mesmo tempo, em que se mostra orgulhosa de sua coragem. No entanto, era necessário não apenas devolver o dinheiro, mas destruir as provas: o carro e o jetsky. Aí entra a participação brilhante de Kathy Bates, que vive o papel de uma mulher de meia idade, lésbica e rica, ao lado de seu par romântico interpretado pela canadense Sandra Oh, mais conhecida por seu papel de Cristina Yang na série Grey’s Anatomy, da ABC.

271963

Ao ver a cena, pensei: Mais uma vez, o cinema apresentando homossexualismo, ao que Kathy no papel de uma mulher homossexual, naturalíssima e digníssima, fala uma frase fantástica para Tammy, no momento em que a adverte sobre as críticas que fazia a sua avó, por ela ser alcoólatra. Ela diz que conhecia sua avó há muitos anos, e que a vida tem dessas coisas. E continua… “eu lutei muito pra chegar onde estou. Minha parceira e eu trabalhamos muito. E não pense que ser homossexual era moda como é hoje. Foi muito difícil pra nós duas.”

O texto curto e belíssimo mostra a diversidade das pessoas e as situações que a vida nos apresenta. E nos faz crescer. Apesar de eu concordar com a fala de ‘Lenore’, que a homossexualidade virou moda, e mais – tornou-se produto de consumo da arte, do cinema e da mídia em geral -, sabemos todos que a crueldade advinda do preconceito também corre solta mundo afora.

Catarse à tona

Então, todo aquele contexto cômico, provocou em mim uma catarse que me encheu de emoção e me ajudou a enxergar a vida como ela é. Por mais que tentemos mudar o estado de coisas que não gostamos ou que não aceitamos, a vida é bela porque é como é. As pessoas são lindas como Tammy, que de obesa destrambelhada e feia, foi se tornando ao longo do filme, uma mulher doce, meiga e encantadora. Humana.

Outra lição: me ensinou que a beleza vem de dentro. Não importa se a pessoa é gorda, magra, alta ou baixa, rica ou pobre. Aquilo que habita o corpo, o deixará bonito ou feio, sem importar o quão estético ou antiestético ele seja.

Senti alegria por ter visto esse filme, que inicialmente, me parecia um pastelão ridículo, mas que jamais o seria, com a participação de atrizes fenomenais. Amo essa arte que sempre me faz aprender e, me lembro de um amigo querido, que há tempos quer realizar o sonho de criar um blog para habilitar seu talento de escritor, mostrando o quanto o cinema, o teatro e os livros podem nos ensinar. Go ahead, amigo!

(l-r) SANDRA OH as Susanne and KATHY BATES as Pearl in TAMMY. ©Warner Bros. Entertainment. CR: Phil Caruso.

Num próximo post, conto sobre os outros dois filmes ‘Carol’ e ‘Para sempre Alice’. O fim de semana foi de cinema bom!

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Maria Alice Guedes

Maria Alice Guedes

Jornalista e escritora, autora do livro Desnudeios - Um retrato do homem moderno em suas relações de afeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *